Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2016

O INDIVÍDUO REI E A PSICANÁLISE - MATTHIEU RICARD & JEAN-FRANÇOIS REVEL

O Indivíduo Rei e a Psicanálise
Matthieu Ricard & Jean-François Revel
O INDIVÍDUO REI JEAN-FRANÇOIS – Será que vocês, budistas, às vezes se perguntam em que as nossas ciências do homem e suas conquistas, tais como se constituíram e se desenvolveram de um ou dois séculos para cá, podem contribuir para sua ciência da mente? Ou será que para vocês essa ciência da mente, cujas bases foram lançadas há dois mil e quinhentos anos, não têm nada a aprender com as ciências ditas humanas? MATTHIEU – A atitude budista consiste em manter-se totalmente aberto às reflexões e aspirações de todos. Portanto, não se trata de fechar-se para a maneira pela qual o Ocidente encara as ciências da mente. Mas convém não esquecer que, no geral, o Ocidente se desinteressou progressivamente das ciências contemplativas para se concentrar nas ciências ditas naturais. Curiosamente, até a psicologia – que, como o nome indica, deveria ser uma ‘ciência da mente’ – evita a introspecção, considerada não-objetiva, e se es…

AS FACES FRÁGEIS DA IDENTIDADE - MATTHIEU RICARD

As Faces Frágeis da Identidade
Matthieu Ricard
A noção de pessoa inclui a imagem que temos de nós mesmos. A ideia da nossa identidade, do nosso status na vida, está profundamente enraizada em nossa mente, e influencia de modo constante as nossas relações com os outros. A menor palavra que ameace a imagem que temos de nós mesmos é intolerável, mesmo que não tenhamos o menor problema em ver qualificativo idêntico aplicado a outra pessoa, em circunstâncias diferentes. Se você grita insultos ou bajulações na direção de um rochedo, as palavras ecoam de volta a você, que em nada se afeta com isso. Mas se outra pessoa o insulta com as mesmas palavras, isso lhe traz uma perturbação profunda… Se temos uma imagem forte de nós mesmos, tentaremos nos assegurar de que ela seja reconhecida e aceita. Nada é mais doloroso do que vê-la posta em dúvida. Mas que valor tem essa identidade? É interessante lembrar que a palavra “personalidade” vem de persona, que significa “máscara” em latim – a máscara atrav…

A NATUREZA DO EU - MATTHIEU RICARD

A Natureza do Eu
Mathieu Ricard
Reencarnação Antes de mais nada, é preciso entender bem que, no budismo, o que se chama de reencarnação não tem nada a ver com a transmigração de uma ‘entidade’ qualquer… Enquanto se raciocinar em termos de entidades e não de função, de continuidade, o conceito budista de renascimento não poderá ser compreendido. […] Uma vez que o budismo nega a existência de um ‘eu’ individual, concebido como uma entidade separada que transmigraria de existência em existência e passaria de corpo para corpo, podemos nos perguntar o que é que liga esses estados sucessivos de existência… Trata-se de um continuum, um fluxo de consciência que se perpetua, sem que exista uma entidade fixa e autônoma que o percorra. Pode-se comparar isso a um rio sem nenhuma barca que desce o curso ou à chama de uma lamparina que acende uma segunda lamparina, a qual acende uma terceira lamparina e assim por diante: no fim dessa cadeia, a chama não é nem a mesma nem diferente. […] Consciência Individ…

EGOÍSMO E PSICANÁLISE SEGUNDO A VISÃO BUDISTA - MATTHIEU RICARD

EGOÍSMO E PSICANÁLISE27/05/2016 Os Campeões do Egoísmo

Matthieu Ricard
Como vimos detalhadamente, os trabalhos realizados por diversas equipes de psicólogos destacaram que os atos realmente altruístas sobejam no cotidiano, contradizendo a tese de uma motivação humana de natureza sistematicamente egoísta. Uma outra categoria de pensadores não sustenta que o altruísmo seja inexistente, mas que é pernicioso, imoral ou doentio. Esses pensadores baseiam-se no que os psicólogos e filósofos chamam de “egoísmo ético”, em outras palavras, na doutrina que faz o egoísmo uma virtude que seria o fundamento de uma moral pessoal. Maquiavel já justificava em certos aspectos o egoísmo. Estava convencido de que o mal era necessário para governar e que o altruísmo constituía uma fraqueza. “Um príncipe”, escreve ele, “não pode exercer impunemente todas as virtudes, pois o interesse em sua conservação o obriga a agir contra a humanidade, a caridade e a religião. Assim, ele deve escolher adaptar-se aos ventos e…