Pular para o conteúdo principal

MAL ENTENDIDO SOBRE A NATUREZA DA REALIDADE - MATTHIEU RICARD

MatthieuRicard_2004-embed


Mal-entendido sobre a natureza da realidade | Matthieu Ricard


Mudar o modo de ver o mundo não é ter um optimismo ingénuo ou uma euforia artificial com intenção de contrabalançar a adversidade. Enquanto formos escravos da insatisfação e da frustração que surgem da desordem que domina a nossa mente, será tão inútil dizer a si mesmo “Sou feliz! Sou feliz!”, muitas e muitas vezes, quanto seria repintar um muro em ruínas.
Buscar a felicidade não é olhar para a vida através de óculos cor-de-rosa ou cegar-se para a dor e as imperfeições do mundo. Nem é a felicidade, tão pouco, um estado de exaltação que deva ser perpetuado a qualquer custo; mas, sim, um processo de purgar as toxinas mentais, como o ódio e a obsessão, que envenenam a mente. É também aprender como colocar as coisas em perspectiva e reduzir a distância entre as aparências e a realidade.
Para esse fim, devemos adquirir um conhecimento melhor sobre como a mente funciona e ter uma percepção mais precisa sobre a natureza das coisas, pois, no sentido mais profundo, o sofrimento está intimamente ligado a um mal-entendido sobre a natureza da realidade.

“Felicidade”, cap. 6

MatthieuRicard_2004-embed

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A NATUREZA DO EU - MATTHIEU RICARD

A Natureza do Eu
Mathieu Ricard
Reencarnação Antes de mais nada, é preciso entender bem que, no budismo, o que se chama de reencarnação não tem nada a ver com a transmigração de uma ‘entidade’ qualquer… Enquanto se raciocinar em termos de entidades e não de função, de continuidade, o conceito budista de renascimento não poderá ser compreendido. […] Uma vez que o budismo nega a existência de um ‘eu’ individual, concebido como uma entidade separada que transmigraria de existência em existência e passaria de corpo para corpo, podemos nos perguntar o que é que liga esses estados sucessivos de existência… Trata-se de um continuum, um fluxo de consciência que se perpetua, sem que exista uma entidade fixa e autônoma que o percorra. Pode-se comparar isso a um rio sem nenhuma barca que desce o curso ou à chama de uma lamparina que acende uma segunda lamparina, a qual acende uma terceira lamparina e assim por diante: no fim dessa cadeia, a chama não é nem a mesma nem diferente. […] Consciência Individ…

O MEDO E O EGO - MATTHIEU RICARD

O MEDO E O EGO O ego, escreve o filósofo budista Han de Wit, “é também uma reação afetiva ao nosso campo de experiência, um movimento mental de recuo baseado no medo”. Por medo do mundo e dos outros, por receio de sofrer, por angústia sobre o viver e o morrer, imaginamos que ao nos escondermos dentro de uma bolha — o ego — estaremos protegidos. Criamos, assim, a ilusão de estarmos separados do mundo, acreditando que dessa forma evitaremos o sofrimento. Na realidade, o que acontece nesse caso é justamente o contrário, uma vez que o apego ao ego e à auto-importância são os melhores ímãs para atrair o sofrimento. O genuíno destemor surge com a confiança de que seremos capazes de reunir os recursos interiores necessários para lidar com qualquer situação que surja à nossa frente. Isso é totalmente diferente de retirar-se na auto-absorção, uma reação de medo que perpetua profundos sentimentos de insegurança. Cada um de nós é, de fato, uma pessoa única, e está certo reconhecermos e apreciarmos …

EGOÍSMO E PSICANÁLISE SEGUNDO A VISÃO BUDISTA - MATTHIEU RICARD

EGOÍSMO E PSICANÁLISE27/05/2016 Os Campeões do Egoísmo

Matthieu Ricard
Como vimos detalhadamente, os trabalhos realizados por diversas equipes de psicólogos destacaram que os atos realmente altruístas sobejam no cotidiano, contradizendo a tese de uma motivação humana de natureza sistematicamente egoísta. Uma outra categoria de pensadores não sustenta que o altruísmo seja inexistente, mas que é pernicioso, imoral ou doentio. Esses pensadores baseiam-se no que os psicólogos e filósofos chamam de “egoísmo ético”, em outras palavras, na doutrina que faz o egoísmo uma virtude que seria o fundamento de uma moral pessoal. Maquiavel já justificava em certos aspectos o egoísmo. Estava convencido de que o mal era necessário para governar e que o altruísmo constituía uma fraqueza. “Um príncipe”, escreve ele, “não pode exercer impunemente todas as virtudes, pois o interesse em sua conservação o obriga a agir contra a humanidade, a caridade e a religião. Assim, ele deve escolher adaptar-se aos ventos e…